Com aula prática sobre inclusão, inauguração do Crei e Emebs emociona público no Cemur

 

DivulgaçãoA cerimônia foi marcada por uma grande lição de vida dada por Luiz Eduardo

A inauguração feita pelo prefeito Fernando Fernandes do Centro de Referência de Educação Inclusiva (Crei) e da Escola Municipal Bilíngue para Surdos (Emebs Monteiro Lobato), que aconteceu no último sábado, dia 16, foi marcada por uma verdadeira aula de inclusão. O evento teve como atores principais portadores de necessidades especiais, que participaram ativamente da cerimônia.

 

A abertura ficou a cargo de Josafa, professor da rede municipal de Taboão da Serra que é deficiente visual e apresentou a inauguração lendo em braille. Já Luiz Eduardo foi o convidado especial. Sob uma cadeira de rodas, o palestrante, que sofre de uma doença degenerativa e não tem todo os movimentos do corpo, emocionou a todos ao contar sua história de vida.

 

"Foi uma cerimônia que valeu a pena. Eu acho que todos que vieram aqui, aprenderam", disse Fernando. "Tive uma lição de vida dada pelo Luiz Eduardo. Ele nos lembrou de uma coisa que nós sabemos, mas que nos esquecemos todos os dias. A vida é uma constante busca pela felicidade, mas nós temos um defeito grave de a colocar longe da gente, e você nos mostrou como podemos ser felizes com coisas tão simples", disse emocionado o prefeito.

 

De forma engraçada e ao mesmo tempo marcante, a narrativa de Luiz emocionou a todos e era comum ver as pessoas enxugando as lágrimas furtivas discretamente. O homem, que hoje é autor do projeto Aprendendo a Viver, contou as dificuldades que enfrentou para estudar e se incluir na sociedade por causa da doença a qual sofre. "Quando eu era pequenino, eu queria jogar bola, andar de bicicleta, fazer tudo o que uma criança faz, mas não conseguia".

 

"Escola nenhuma aceitava pessoas com deificiência naquela época, e meu pai, desesperado, conseguiu me matricular em uma particular, onde todos os alunos eram portadores de alguma deficiência. Eu fiquei nessa escola por poucos dias porque meu pai não conseguiu pagar e eu voltei a ficar sem estudar", contou. No entanto, a diretora de uma escola pública o acolheu e ele voltou a frequentar as aulas. A princípio, Luis teve dificuldades em se adaptar, mas aos poucos, com as ajuda dos colegas de sala, conseguiu se habituar.

 

"Eu tinha uma descordenação motora e não conseguia acompanhar a classe. Bateu o sinal , saiu todo mundo correndo e eu não tinha copiado nem duas linhas. No dia seguinte, quando eu apareci, um jovem se levantou e me falou 'olha, ontem eu percebi que você tem muita dificuldade de escrever, eu vou te ajudar'. Quando ele sentou, começou a copiar, mas de repente parou de escrever e passou meu caderno para trás. Outro aluno continuou. Copiou mais um trechinho e passou de novo o caderno, que passava de mão e mão", conta ele sobre um episódio que o marcou bastante na adolescência.

 

Apesar das dificuldades, Luis revelou que tudo que passou na vida o ajudou de certa forma a superar. "Independente de tudo o que eu passei na minha vida, tudo que eu vou passar de agora em diante, eu sou uma pessoa muito feliz. Eu não trocaria o meu corpo pelo corpo de ninguém porque se eu trocasse, talvez eu não fosse tão feliz como eu sou hoje e a minha felicidade tem um nome, que é conquista", disse.

 

"Eu estava ali ouvindo e refletindo. Eu tenho 67 anos e estava aqui lembrando da minha adolescência. Essa coisa da inclusão não existia, não se falava nisso e nem existia essa preocupação", disse o prefeito. Ele  também relembrou que as políticas públicas de inclusão são trabalhadas desde 1997 em Taboão e falou sobre sua importância. "Essa questão não pode ficar restrita somente ao serviço público, ela tem que ser colocada na vida da cidade. Esse é o grande trabalho, é levar para sociedade no seu cotidiano a inclusão", explicou.

 

O secretário de Educação, João Medeiros, também participou do evento e explicou como funcionará os aparelhos educacionais. O Crei, segundo apontou, será composto por vários setores, como a Emebs e o Ciadev, Centro de Atendimento ao Deficiente Visual. Lá, haverá formação profissional, acolhimento familiar e os atendimentos serão feitos por uma equipe multiprofissional, que trabalhará em rede com outras pastas da prefeitura e fará pesquisas relacionadas a demandas dos deficientes da cidade.

 

"Este CREI é produto de uma história de educadores dessa cidade que vem trabalhando com a educação inclusiva há mais de 20 anos", informou. "A educação especial em Taboão da Serra não é improvisada. Há uma estrutura muito firme e segura e a gente sabe o que vamos fazer com essa criança. São poucas cidaddes do país que tem uma estrutura tão bem organizada como temos na Secretaria de Educação de Taboão", completou João.

 

Após a cerimônia, o prefeito Fernando Fernandes, os vereadores da base e alguns secretários municipais se dirigiram ao prédio novo. Após reformado pela Secretaria de Obras, ele conta com com salas de aula, sala administrativa, elevador, banheiros, tudo para garantir o fácil acesso aos que serão atendidos.

 

Fonte: Jornal da Net